Domingo, 21 de Julho de 2024
24°C 31°C
Macapá, AP
Publicidade

Rotina de trabalho irregular na juventude impacta saúde após os 50 anos

Um novo estudo da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos, mostra como rotinas de trabalho não convencionais podem comprometer o bem-estar a longo prazo.

11/07/2024 às 09h50
Por: Dinael Monteiro Fonte: Por Gabriela Cupani, da Agência Einstein
Compartilhe:
foto: FreePik
foto: FreePik

Um novo estudo da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos, mostra como rotinas de trabalho não convencionais podem comprometer o bem-estar a longo prazo. O levantamento aponta que há uma relação entre horários irregulares ao longo da vida — algo normalmente associado a empregos precários — a prejuízos ao sono e à saúde a partir dos 50 anos de idade. 

Segundo o artigo, as transformações sofridas pelo mercado de trabalho desde a década de 1980, com incremento tecnológico e aumento da demanda por serviços, têm exposto trabalhadores a condições mais negativas, como plantões imprevisíveis e jornadas irregulares. E essas características se tornaram comuns no mundo todo. Para piorar, aqueles mais vulneráveis socialmente são os mais sujeitos a esquemas de trabalho pouco saudáveis. 
Estudos anteriores já apontavam que trabalhar fora do esquema típico comercial (horário diurno, de segunda a sexta-feira) afeta o sono e traz implicações negativas tanto para o ritmo circadiano, o que leva a uma série de alterações no organismo, quanto para a vida social. 

A partir de dados do levantamento National Longitudinal Survey of Youth-1979, a equipe de pesquisadores coletou informações de mais de 7 mil pessoas durante cerca de 30 anos nos EUA. Eles acompanharam os voluntários, inicialmente com 22 anos, em média, até perto dos 50. Apenas um quarto deles trabalhava exclusivamente no horário convencional, os demais tinham jornadas variáveis, turnos irregulares, trabalhos noturnos e rotativos. 

No final do acompanhamento, constatou-se que, ao chegar à meia-idade, esses trabalhadores dormiam menos horas por dia, com menor qualidade, e eram mais propensos a reportar má saúde física e mental, além de depressão.
Os resultados também evidenciam a influência de fatores socioeconômicos nesses desfechos, incluindo gênero, raça e nível educacional. Por exemplo: é mais provável que mulheres brancas com nível universitário tenham um trabalho diurno estável e seis horas a mais de sono semanal do que homens negros com nível médio que trabalham em horários variáveis. 

Para os autores, os achados reforçam que o tipo de emprego modela a vida diária, o que traz efeitos a longo prazo. “A pesquisa mostra que fatores como tempo e esquema de trabalho, posição socioeconômica e sono podem impactar a saúde”, analisa a neurologista Letícia Soster, do Hospital Israelita Albert Einstein. “Mas não se pode falar em uma relação de causa e efeito, pois esse impacto é multifatorial”, ressalta a médica.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Macapá, AP
28°
Tempestades

Mín. 24° Máx. 31°

31° Sensação
1.54km/h Vento
74% Umidade
84% (1.32mm) Chance de chuva
06h26 Nascer do sol
06h34 Pôr do sol
Seg 31° 25°
Ter 30° 25°
Qua 30° 24°
Qui 27° 23°
Sex 28° 24°
Atualizado às 22h04
Publicidade
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,60 +0,00%
Euro
R$ 6,10 +0,00%
Peso Argentino
R$ 0,01 -0,63%
Bitcoin
R$ 402,639,77 +0,68%
Ibovespa
127,616,46 pts -0.03%
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade