Sexta, 28 de Janeiro de 2022
24°

Chuva fraca

Macapá - AP

Especiais Amapá

Casal se conhece pela internet e passa a morar junto para manter viva profissão em extinção

O carpinteiro naval Odair José Pereira que atua há mais de uma década com a fabricação de barcos de madeira agora tem uma parceira para perpetuar a arte

27/12/2021 às 10h42 Atualizada em 27/12/2021 às 10h48
Por: Emanoel Jordânio Fonte: Blog Santana do Amapá
Compartilhe:
Casal se conhece pela internet e passa a morar junto para manter viva profissão em extinção

A produção de embarcações de madeira através da carpintaria naval, profissão quase que artesanal e repassada de geração em geração no interior da Amazônia, está entre as que corre risco de extinção em função da disputa com a indústria de barcos e do menor interesse das novas gerações pela arte, que requer, principalmente, tempo e dedicação. 

No interior do Amapá, onde famílias de carpinteiros seguem mantendo viva a profissão, que para muitos é único o ganha pão, um casal que se conheceu pela internet se juntou para seguir com a produção, requisitada normalmente por pescadores e ribeirinhos. 

O carpinteiro naval Odair José Pereira que atua há mais de uma década com a fabricação de barcos de madeira agora tem uma parceira para perpetuar a arte. 

A conversa virtual com a Noêmia da Silva se tornou amor e há cerca de 1 ano os dois vivem juntos. 

Ela pouco a pouco busca aprender as técnicas. 

Noêmia deixou a cidade natal, Belém, capital do Pará, atravessou o Rio Amazonas e veio morar com Odair na comunidade ribeirinha de Elesbão, em Santana, na Região Metropolitana de Macapá. 

"Não conhecia [a carpintaria naval], conheci ele [Odair] pela internet e acabei vindo para cá. Foi um amor pela internet e estou aprendendo com ele a fabricar barcos. De tudo a gente faz na vida, de tudo um pouco, é trabalho. Esse amor vai durar muito, pelo resto das nossas vidas", disse. 

Apesar de ser uma produção artesanal, a carpintaria naval tem se desenvolvido nas últimas décadas, principalmente para dar mais segurança às embarcações. 

O uso de novas ferramentas garante mais rapidez nos trabalhos, tendo em vista, que a produção média varia de 30 a 60 dias dependendo do tamanho. 

"Quando cheguei aqui ele estava construindo aqui um de 18 metros. E ficava pensando em como ele fazia para a madeira ficar 'enrolada' [curvatura] e depois fui vendo como ele faz com jeitinho, ficando tudo perfeito", completou Noêmia. 

Para manter o sustento, Odair conta que consegue fabricar até seis embarcações por ano e atua desde a compra da madeira, das ferramentas até o acabamento. 

Mesmo com o risco da profissão ficar mais escassa, ele relata o jeito simples de levar a vida e como a profissão ajuda a perpetuar a cultura do ribeirinho da Amazônia. 

"Fica bem na frente da casa, abre a porta e já está no trabalho. Almoça em casa, é mais prático", brinca o carpinteiro.

Informações postadas pelo G1Amapá

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Macapá - AP Atualizado às 21h29 - Fonte: ClimaTempo
24°
Chuva fraca

Mín. 24° Máx. 33°

Sáb 32°C 24°C
Dom 31°C 24°C
Seg 33°C 23°C
Ter 33°C 23°C
Qua 33°C 24°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes